terça-feira, 2 de novembro de 2010

1

Descoberta perforina, uma proteína que destrói tumores

Dentre as inúmeras abordagens para o tratamento do câncer figura com destaque aquela que procura compreender o por quê do sistema imunológico não reagir convenientemente ao desenvolvimento de tumores. Agora, uma equipe de australianos e britânicos fizeram uma descoberta importante que trará em breve nova munição na luta contra a o câncer e outras enfermidades. este estudo, que durou 10 anos, descobriu que a estrutura da perforina era similar à de toxinas bacterianas tais como a listeria ou o bacillus anthracis (antraz), permitindo pensar que o corpo aprendeu táticas de defesa a partir das doenças. O estudo foi publicado na última edição da Revista Nature.

É chamada de perforina, e a proteína é capaz de abrir novos caminhos para derrotar o câncer e outras doenças, como diabetes e malária. Foi descoberta recentemente por uma equipe de investigadores australianos e britânicos coordenada pelo professor James Whisstock da Monash University, em Melbourne.

A proteína em questão foi identificada graças a poderosos microscópios com os quais foi possível observar o seu funcionamento e sua estrutura molecular específica, descrita nas páginas da revista especializada Nature. Aparentemente, a perforina, uma vez que entra em operação, tem como alvo específico as células cancerosas ou infectadas com o vírus, liberando enzimas tóxicas, fazendo uma abertura em sua membrana para deixar passar as enzimas para destrui-las

Todo o processo foi descrito como uma arma que faz uma limpeza em nosso corpo. Agora pode-se finalmente começar a pensar em uma terapia inovadora para curar o câncer. Na verdade, a investigação começou há dez anos com os trabalhos do pesquisador e Prémio Nobel, Jules Bordet.

Ao longo desse período, os especialistas foram capazes de compreender plenamente os poderosos recursos da proteína por meio de instrumentos específicos na vanguarda do Birbeck College, em Londres. A perforina pode também prevenir o surgimento de problemas vivenciados pelos pacientes após transplantes.
Ler foneticamente


1 Comentário:

ag-leme disse...

É, Daniel, acho que esta linha de pesquisa, ao lado da angiologia são realmente muito promissoras. Milhões de dólares vem sendo investidos por órgãos oficiais de governo e pela indústria farmaceutica e começamos a ter resultados muito animadores. Mesmo assim cada conquista na luta contra essa doença parece ser muito lenta diante do sofrimento que ela causa. Continuemos na luta, cada um a sua maneira. Só o esforço coletivo nós levará a vitória.Forte abraço.