segunda-feira, 21 de março de 2011

6

PET Scan, rabanadas e rocambole de tapioquinha com filé de caranguejo

Acabou a novela para fazer o PET Scan. Acabei fazendo aqui em Manaus, mesmo. Depois de ficar no maior rafael estes três últimos dias. Fome!
Ligaram-me da clínica hoje, já às 7 da manhã pra confirmar e me pediram que chegasse lá por volta de 13 h. Às 13:30 já me tinham furado duas vezes, imagina, uma veia do calibre dessa minha do braço direito!!  - Pô, desculpa, véio, tô até encabulado, uma veia desse tamanho... (MÏ@^....)

D
epois disso fiquei cerca de 10 minutos com o acesso espetado na veia, esperando a aplicação do tal flúor-18 numa saleta que eles chamam ironicamente de sala de repouso, de 1 m x 2, 5 m, numa poltrona daquelas do vovô, com duas lâmpadas de 60 watts na minha cara, sem nenhum sonzinho ambiente pra relaxar, nem TV, o que achei até bom, chega de notícia ruim.

Depois chegou o cara que me havia aconselhado a tomar “iorgute” como parte de minha dieta restritiva a doces e massas. (Quase até desisto de fazer esse exame sofisticado nesse lugar! Sim, ASSIM MESMO: “IORGUTE”). Aí ele me injetou 0,7 ml do tal de flúor-18 (o nome completo é Fluorodeoxiglicose radioativa), que é um análogo da glicose, e me abandonou no cubículo por mais de 1 hora, “pra relaxar e deixar o fármaco circular”.

Eu já estava vestido com aquela bata verde ridícula que vai até as canelas. Tenho usado tanto este modelito ultimamente que começo a achar que o faço até com alguma desenvoltura. Enquanto isso, Sandrinha mofando, preocupada, numa sala de espera

A fome e a fraqueza eram tantas que acabei dando uma cochilada de uns 15 minutos, que me pareceram horas de aventuras gastronômicas. Quase três dias sem me alimentar direito e as seis últimas horas em jejum total! Aí sonhei com montanhas de suculentas rabanadas entupidas de açúcar e canela, pretzels tenros e mousses de cupuaçu com chocolate meio amargo. Meus sonhos, como sempre, são mucho locos e teve uma hora em que me vi em plena Confeitaria Colombo, no centro do Rio, me empanturrando dolente e sistematicamente daqueles divinos pastéis de nata e de quindins tamanho-família.

Depois assim, num passe de mágica, me vi diante de uma mesa enorme coberta com centenas daqueles mitológicos leitõezinhos à pururuca, todos do mesmíssimo tamanho como se feitos em série, cada um trazendo na boquinha pateticamente risonha uma banana, uma maçã, um abacate....E isso seria até justificável se alguma vez na vida eu tivesse ao menos visto de perto um desses bichinhos preparados desta forma!

Quem me conhece bem sabe que tenho vaidades culinárias. E no meio do meu delírio famélico cheguei até a criar um incrível rocambole de tapioquinha com filé de caranguejo e alface americana, nos detalhes, a goma temperada com pimenta do reino branca e noz moscada. Êta crise hipoglicêmica braba! Mas vou experimentar!

Então fui cruelmente despertado pelo Mr. Iorgute, que viera ingênua e impunemente me perguntar se estava tudo bem, com aquele sorriso profissional de lantejoulas e paetês. (MÏ@^....). E aí não consegui mais dormir durante cerca de mais uma hora de espera que ainda restavam, “relaxando”.

Saí do mundo dos sonhos e passei pro da imaginação. Obcecado, lembrei até dos  deliciosos bolinhos de farinha de mandioca que mamãe fazia quando éramos criança.

E quando Mr. Iorgute finalmente veio me buscar para fazer o exame, depois de 1h e dez minutos de espera, ele ainda queria que eu fizesse xixi de qualquer maneira, imaginem, “faz parte do protocolo”. – Só se você torcer o meu pênis – disse-lhe candidamente.

O exame é muito parecido com uma TC convencional, o tomógrafo também, só que bem maior. O paciente tem que ficar cerca de 25 minutos naquele túnel, totalmente imóvel, indo e voltando na maca móvel. Tive câimbras atrozes na mão direita.

Disseram que o laudo deve estar pronto em uma semana.

Saímos de lá, Sandrinha e eu, já em torno de 17:30, azuis quase verdes de fome e literalmente invadimos como bárbaros a padaria-lanchonete Lindopam.
Como é bom sentir e poder saciar uma fome juvenil assim, de vez em quando, né?!

6 Comentários:

Cássia disse...

Daniel

Até agora vamos resistindo bem não é? Fui ler seu post final da noite,deu uma fominha, nem vou comentar que vou lá na cozinha ver o que tem de bom...

Fran a busca pela evolução disse...

Oi Daniel, descobri seu blog hoje, talvez eu também precise fazer o PET, mas tinha a informação que os planos não estavam cobrindo. Como foi no seu caso? Nossa... eu tenho muitos desejos de comida... fiquei fã de fanta, sorvete...rsrs beijos

Lilian disse...

daniel querido, que sonhos muitos loucos e deliciosos, quero entrar neles. Me deu uma fominha, hummm.
Espero em Deus que dê tudo certo com os exames pra comemorar vc possa fazer a farra na confeitaria, beijos

Fran a busca pela evolução disse...

Daniel, obrigada pela visita, eu é que me sinto honrada em ter sua presença por lá. Gostei muito das suas postagens, com conteúdos realmente interessantes e você tem grande habilidade na escrita. Vou te acompanhando... até logo! bjs

Thati Guimaraes Gobeth disse...

Fico feliz que já tenha feito o PET e sem precisar se ausentar da cidade! Pensamento positivo sempre...

Vera disse...

Daniel, pesquisando na internet sobre o exame do pet cheguei até você e estou dando graças a Deus. Isto por que tenho uma grande amiga,a qual está passando por um tratamento contra um tumor no mediastino e está se tratando no Einsten de S. Paulo.Pois agora ela irá fazer este exame na 3ªf próxima e recomendaram que ela só coma,no dia do exame,tudo menos legumes e carboidratos.Relacionaram tudo o que não pode,mas não mencionaram nada que possa....detalhe:ela fez 48 seções de radio que detonaram a garganta e esôfago.Vc teria algum retorno do que ela pode comer? Cebola/alho já pesquisei e sei que são legumes e não pode.Grãos e integrais ela pode?Como foi com vc? Desde já agradeço a sua atenção e te desejo muita luz nesta sua fase de recuperação. Abraços,Vera