quarta-feira, 8 de setembro de 2010

1

Pequenas moléculas de RNA condicionadas podem identificar e eliminar apenas as células cancerosas.

O câncer é  difícil de tratar porque é uma doença pessoal. Cada caso é único e resultado de uma combinação de fatores ambientais e genéticos. A quimioterapia convencional emprega o tratamento com uma ou mais drogas, admitindo que estes medicamentos sejam capazes de tanto diagnosticar como tratar as células afetadas.
Muitos dos efeitos colaterais experimentados por pacientes de quimioterapia são devidos ao fato de que as drogas que tomam não são seletivas o suficiente. Tomar um medicamento que tem como alvo as células do tumor de crescimento rápido, freqüentemente resulta em perda de cabelo, por exemplo, porque as células do folículo piloso estão entre as que mais crescem no corpo.
Mas o que aconteceria se tivéssemos tratamentos contra o câncer que funcionassem como um programa de computador, que pode executar ações com base em instruções condicionadas? Neste caso, um tratamento eliminaria uma célula se - e somente se - a célula tivesse sido diagnosticada como uma mutação. Somente as células defeituosas seriam destruídas, praticamente eliminando os efeitos colaterais indesejados.
Com o apoio da National Science Foundation (NSF), os pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia criaram pequenas moléculas de RNA condicionadas para realizar esta tarefa. Sua estratégia utiliza as características existentes em nosso DNA e RNA para separar as etapas de diagnóstico e tratamento.
"As moléculas são capazes de detectar uma mutação dentro de uma célula cancerosa e alterar sua conformação para ativar uma resposta terapêutica, permanecendo inativas em presença das células saudáveis", afirma Niles Pierce, co-autor de estudo publicado na edição de 06 de setembro da Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS).
No cerne desta abordagem está o ácido ribonucléico ou RNA, e todas as tarefas que ele normalmente executa a cada dia para manter nossas células vivas e saudáveis. O RNA é a contrapartida relativamente curta do DNA, o sistema de codificação que armazena cópias completas do nosso genoma inteiro dentro de quase todas as células do nosso corpo. Se pensarmos no DNA como a informação armazenada no disco rígido de um computador, o RNA seria como a informação armazenada em um tipo mais volátil de memória RAM, aquela que é apagada quando você desliga o computador.
"Ao dissociar o diagnóstico do tratamento, podemos criar moléculas altamente seletivas e eficazes na identificação e eliminação de células cancerosas", disse Pierce. "Conceitualmente, pequenos RNAs condicionados têm o potencial para transformar o tratamento contra o câncer. Muitos anos de trabalho ainda serão necessários para verificarmos se essa promessa conceitual pode ser uma realidade no tratamento de pacientes humanos."
Veja como funciona: o tratamento envolve dois pequenos RNA’s. O primeiro RNA vai abrir se - e somente se - encontrar a mutação do câncer. Um diagnóstico positivo "expõe um sinal que marca a mutação que estava anteriormente escondida dentro do RNA. Uma vez que este primeiro RNA está aberto, o segundo pequeno RNA liga-se a ele, desencadeando uma reação em cadeia em que essas moléculas de RNA continuam a se combinar para formar uma cadeia mais longa. O comprimento da cadeia é uma parte importante do tratamento. ”Cadeias mais longas levam a célula a pensar que foi invadida por um vírus, levando a autodestruição em resposta.
No estudo, os investigadores demonstraram que esta abordagem elimina efetivamente células cancerosas do cérebro humano, da próstata e ósseas cultivadas em laboratório. Experimentos futuros determinarão se o tratamento é eficaz em uma escala maior.
Traduzido e condensado de: http://www.sciencedaily.com 
Células cancerosas podem consumir partes de si mesmas, com a ajuda de uma proteína
Como algumas pessoas, as células comem quando estão sob pressão – mas, consomem partes de si mesmas. Uma proteína multi-função ajuda a controlar esta forma de canibalismo, de acordo com um estudo publicado na edição de 06 de setembro do Journal of Cell Biology.
Células geralmente respondem à fome ou estresse através da digestão de alguns dos seus componentes. O processo, conhecido como autofagia celular, ajuda a libertar os nutrientes e a limpar o lixo citoplasmático, como organelas desgastadas e proteínas deformadas. Uma equipe liderada por pesquisadores do Instituto do Câncer da Universidade de Pittsburgh, descobriu uma ligação entre esta forma de reciclagem celular e uma proteína chamada HMGB1. A equipe mostrou que as HMGB1 são um tipo de proteína crítica pró-autofágica que controla a sobrevivência da célula e os limites de morte celular programada.
Os resultados sugerem que o bloqueio das HMGB1 poderia beneficiar pacientes com câncer, uma vez que as células tumorais muitas vezes até praticam a autofagia para resistir à quimioterapia, imunoterapia e radioterapia.
Ouvir
Ler foneticamente
Traduzido e condensado de http://www.sciencedaily.com

Amazônia em chamas, cinzas e fumaça


Estou na pequena cidade de Pimenta Bueno, no Estado de Rondônia, a serviço, desde o dia 2 de setembro e ficarei por aqui até o fim do mês. Venho com frequência para estes lados, mas desta vez fiquei muito impressionado com a alta densidade de fumaça na atmosfera, que se soma a poeira do tempo seco do verão e transforma o ar que se respira em algo áspero, que arde na garganta, arde nos olhos, penoso de se inalar.
Uma rápida pesquisa no Google revela dados de arrepiar: o número de queimadas registradas em Rondônia em junho é o maior em cinco anos. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em todo o mês foram encontrados 260 focos de calor em 28 municípios. Lideram a lista: Pimenta Bueno com 75 focos de queimadas, seguido de Porto Velho, com 42 e São Francisco do Guaporé, com 25 focos. Comparado com o mesmo período do ano passado o aumento chega a 622% (!). No ano anterior apenas 36 focos foram localizados. No mesmo mês nos anos de 2008 foram encontrados 43 focos, em 2007 foram encontrados 218 e em 2006, 216 focos.
Dois fatores principais confluem para o quadro, os climáticos e os culturais, aí incluído o analfabetismo ambiental e o descaso das autoridades responsáveis pela gestão do meio ambiente. Pra complicar, o fenômeno El Niño chegou mais cedo este ano e antecipou a estiagem.
Não ouvi nenhum candidato a cargo político falar uma palavra sobre esta verdadeira tragédia nacional. E tome queimada!

1 Comentário:

ag-leme disse...

O Homem é o único animal que destrói sua própria casa. E ainda dizem que ele é o racional....